Todos Os Olhos No Rap Plus Size

issa-sara

Nesses últimos anos surgiu uma diversidade de mc’s e grupos bastante importantes para a cena, e um dos que mais chama atenção é o Rap Plus Size. O duo formado pela Issa Paz e Sara Donato lançou um dos melhores trampos nesse ano, tanto que diversas mídias voltaram os olhos para as mc’s paulistanas. É claro que a maioria já ouvia elas em seu corre individual, sendo que cada uma tem uma bela caminhada calcada pelo respeito. E pra quem não conhece, o que acho difícil, vale relembrar um pouco da carreira e das características das mc’s.
Sara Donato teve seu nome concretizado na cena através de seu álbum, Made In Roça lançado em 2013. Na época o projeto se destacou como um dos 40 álbuns de rap que você precisa escutar no site Vai Ser Rimando. Outros espaços virtuais especializados em rap também direcionaram os holofotes para seu trampo, que carregava um discurso forte, combatendo os padrões de beleza impostos por grande parte da sociedade, além disso, o trampo prestou referência às raízes do rap, nomes como Dina Di e Sabotage foram lembrados com carinho pela Sara.
Em ‘Paradoxo de Mim Mesma’, Sara rimava ‘Eu sinto que nasci pra transformar/faço rap pra poder modificar’, diante de suas ideias ficou claro desde o começo da caminhada que suas letras e atitude seriam de ordem reflexiva e problematizadora a respeito dos assuntos que estão em tônica na sociedade, ou seja, Sara sempre se mostrou disposta a combater o machismo, a gordofobia e o preconceito ao interior. Aliás, muito dessa característica da Sara se deve também a suas influências, como por exemplo, Dexter, Dina Di, Sabotage e Preta Rara.

Issa Paz é uma apaixonada pelo rap desde os 8 anos de idade e a partir dos 12 começou a escrever suas rimas. A paulistana possui como referências nomes fortes como Racionais, Dina Di, Pac e Rafuagi.
Issa começou a ganhar destaque juntamente com o Pulga MC no duo Rimologia. Aos 21 anos alçaria voos mais altos, lançando seu primeiro EP: ‘Essência’. O projeto pautado por diferentes temas colocou seu nome em potencial, chamando atenção por seu viés crítico e também as referências utilizadas, em especial menções à literatura, poesia, animes e obras cinematográficas. Em 2015, lançou seu álbum oficial, ‘A Arte da Refutação’, que acabou fazendo um belo barulho no cenário, ganhando atenção das mídias de maior referência, tendo até mesmo o Bocada Forte resenhando o projeto.
Um aspecto que não pode ser esquecido também é o da mc ter letras bem introspectivas, sendo que numa entrevista concedida ao site nesse ano, a mc revelou suas influências em relação a essa pegada mais pessoal: “Isso é resultado do próprio RAP, compositores que se doam em totalidade nas tracks fazem a gente ver não só mais um interprete, mas um ser humano por trás de letra e beat. Isso nos aproxima. Eu acho que o Kendrick Lammar foi uma das maiores influencias nesse sentido. Mas também tem o AXL, o Emicida, o Kiim. Até a própria Dina Di, se expunha bastante nas letras, o Dexter também. Acho que faz parte de uma terapia, acaba fazendo bem pra quem escreve.”.
São muitos sons consistentes lançados pela rapper, e certamente quem não conhece seu trampo tá perdendo tempo. Aliás, não tinha como fazer esse post e não colocar o link do meu favorito.

O encontro das duas mc’s se deu em 2014, quando a Sara lançou a música “A Bela”, então Issa Paz a chamou pra cantar no evento Cine Rima Vida. E de acordo com as próprias palavras da Issa Paz: “Depois desse dia a gente nunca mais se largou, sempre que ela vinha pra SP ficava em casa e a gente ficava bolando planos pra dominação mundial. Daí surgiu a ideia de fazer o RAP Plus Size, Rap de gorda mesmo, e ela veio morar comigo aqui em SP pra gente trampar no disco. Minha identificação com a Sara é coisa de alma, vai muito além do estúdio, da representatividade na música, das ideias. A vida me deu uma irmãzona e eu me orgulho muito de que seja uma mina com o caráter e a personalidade da Sara. Seloko, até emociono. Ela me inspira a ser uma pessoa melhor em todos os sentidos. Aprendo com ela todos os dias.”.
Pra que acompanhava o trabalho delas tinha grandes expectativas para o lançamento do álbum, além de uma certa curiosidade pra saber como seria um trabalho inteiro entre o duo. E o resultado foi ótimo, o álbum veio com um discurso forte, cheio de argumentos e fatos a respeito das temáticas trabalhadas. Luta contra o machismo e a gordofobia foram os pontos principais do projeto, sem contar que também falaram do consumismo desenfreado, desigualdade social e da mídia golpista.
Além de tudo isso, foi perceptível a evolução do flow, que estão bem diversificados, o que torna o trampo agradável de se escutar. As participações também foram de peso: Rubia RPW, Souto MC, Luana Hansen, Tássia Reis, banda Davidariloco, Preta Rara e Gabi Nyarai. Em relação a destacar um som já é algo subjetivo, pois cada um tem seu próprio gosto, mas preciso confessar que ‘Levante a Cabeça’ foi meu predileto. Inclusive rolou a pouco tempo o clipe da música, que conta também com a Tássia Reis e a banda Davidariloco. O clipe foi assinado pela produtora DMNA, das duas rappers, o roteiro foi feito por Ana Magalhães e Clara Mantovani. O clipe também contou com a participação de “Deusa Poetisa”, conhecida por vencer slams – campeonatos de poesias faladas – em São Paulo, com versos sobre vivências de mulheres. Ela é a personagem principal da história do videoclipe

O futuro do duo parece se encaminhar para patamares ainda mais altos, algo certamente gratificante de ver, pois ultimamente o que não falta são trampos fúteis ganhando espaço na cena. Música feita com a alma tem que ser valorizada, apreciada e sempre indicada para aqueles que não conhecem. Aliás, o duo fez a pouco tempo uma apresentação no Show Livre, já que na votação aberta conseguiram mais de 1.400 votos. Antes de finalizar o post, vale deixar alguns dos comentários no youtube a respeito do álbum. E logo abaixo você confere a apresentação de Rap Plus Size no Show Livre.

Flávia Carvalho
QQ É ISSO Issa Paz, Sara Donato, todas as mulheres envolvidas? Que representação! Rap Feminino fazendo história!❤

Ale Franklin
Apaixonada por esse CD, não paro de ouvir, compartilhado, divulgado com orgulho, se isso não é empoderamento não sei o que é então, séloko, respeita tiu as minas tão muito no corre, sucesso… Já virei fã! Bjs meninas vcs são FODA sem mais…

rafuagirap
ORGULHO!

Dois Dj
Me lembrei de snj, de sabotagem , de muitos raps que tocam.

Lheo Zotto
Fantasticooooooooooooooooooooooo …. \\\\Foda de ponta a ponta, num da pra passar nenhum som, letra refrão beats olhar clinico pra tudi, feito com carinho e amor, então não poderia ser diferente, Cara vcs enchem quem faz RAP de orgulho, seja homem mulher ou gay ou Lésbica…Voces evoluiram, surpreenderam e vão muito longe ainda…

Carolina Vidal
sexo ágil pronto pro combate

Dany Alves Mc
Empodera tudo as minas vráááá

Juliana Fontenelle
cês são foda!

Confiram abaixo Rap Plus Size no Show Livre:

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s