Review: Atlanta

bscap0616

Em que universo imaginaríamos que uma mistura entre hip-hop em Twin Peaks iria dar tão certo? O seriado criado por David Lynch e Mark Frost foi ao ar entre 1990 e 1991, tendo duas temporadas e sendo um sucesso de crítica – nem tanto de audiência – e trazia uma história de assassinato cercada de drama, surrealismo e mistério.

Twin Peaks irá voltar em 2017 como uma minissérie, 25 anos depois do fim da original. Mas antes que a obra do lendário David Lynch volte para a televisão, a declaração de Donald Glover (ou Childish Gambino no mundo da música) no Tonight Show with Jimmy Fallon chamou a atenção de muita gente: “Eu queria contar histórias estranhas. O conceito foi ‘Oh, eu quero fazer uma Twin Peaks mas para rappers,‘” revelou.

bscap0622E foi dessa curiosa fusão de inspirações que nasceu Atlanta, série criada por Glover para o canal FX. Temos quatro personagens centrais na seguinte trama: Earn (Donald Glover) é um desistente da faculdade de Princeton que tem uma filha com Vanessa (Zazie Beetz) e tenta de todas as formas conseguir um bom trabalho para que ele possa prover uma vida melhor para ambas. Ele encontra uma oportunidade quando descobre que seu primo, Paper Boi (Brian Tyree Henry), está começando a fazer sucesso como rapper na cidade de Atlanta. Paper Boi conta com o auxílio de Darius (Keith Stanfield), um cômico personagem que beira o absurdo, mas é um visionário. Eles são o elenco fixo da série, que gira em torno deles. A produção mostra situações do cotidiano dos personagens, combinadas as histórias sobre o cenário do rap que o trio Earn, Paper Boi e Darius vivem a cada episódio. É importante destacar também a valorização da personagem Vanessa, que está sempre presente no seriado e é alguém  de destaque na trama, afinal, ela é a principal motivação do protagonista.

Como Glover revelou para Jimmy Fallon, ele queria contar histórias esquisitas, e ele faz isso frequentemente aqui. Atlanta é repleta de situações estranhas e surreais, que podem ser divertidas ou até mesmo trágicas. Classificada como uma série de comédia-drama, a produção explora os dois gêneros frequentemente trazendo um equilíbrio perfeito. O lado bem-humorado aparece sempre no momento certo e não se torna algo maçante ou forçado. Os tons mais dramáticos relembram situações reais do cotidiano de um jovem negro nos Estados Unidos que está em busca de trabalho.

bscap0635A sátira é bastante usada na série. É muito comum estarmos assistindo situações com um significado muito maior do que está sendo passado na tela. Por exemplo, os personagens a brutalidade policial e o racismo. A abordagem é feita de maneira leve, mas muito impactante, nos levando a pensar sobre os assuntos expostos. Homofobia, machismo, o preconceito com doenças mentais e é claro, o hip-hop também são abordados durante os dez episódios da primeira temporada.

Frequente colaborador na carreira de Donald Glover, o cineasta Hiro Murai é quem dirige a maioria dos episódios da série (são sete ao todo). Graças a presença dele, podemos notar uma semelhança da série com os mais recentes vídeos de Glover, que são dirigidos por ele. Há bastantes takes distantes e cortes rápidos para diferentes posições na mesma cena. E assim como nos clipes de Gambino, a luz é muito bem usada dando um ótimo tom para a fotografia.

Quando o assunto é trilha sonora, Atlanta nos concede uma grande variedade de músicas. Apesar de uma série voltada para o hip-hop, ela traz muito a presença de soul, jazz, R&B e funk ao fundo. A cidade não vive apenas do rap, e Earn nem sempre está em ambientes propícios para a música estar sendo tocada. Então somos agraciados com essa grande diversidade musical que é um grande trunfo da série.

A série também não tem medo de explorar seus coadjuvantes. Há episódios em que Earn não aparece, e o foco trata-se de outra pessoa (ou pessoas). Essa é uma excelente forma de vermos a perspectiva de outro personagem dentro do universo criado por Glover.

Muito transparente com o publico, a representação de Atlanta é a mais real possível, já que a produção é rodada na própria cidade, o que é um dos grandes trunfos da série, já que a cidade também é um personagem da trama.

bscap0637

Atlanta é uma das melhores séries que estrearam no ano de 2016. O fato de ter o hip-hop como base traz ela até o Raplogia, mas ela é muito mais profunda que isso. Assista com atenção, e tenha mais uma amostra do talento de Childish Gambino.

 

2 Respostas para “Review: Atlanta

  1. Joe, achei de grande visão o início da resenha com a primeira frase: “Em que universo imaginaríamos que uma mistura entre hip-hop em Twin Peaks iria dar tão certo?”. De fato, a ideia pura de uma junção entre Twin Peaks e o cotidiano da cena do rap me pareceria uma mistura desnecessária, forçada, estranha, talvez até alucinada, lunática. Apenas alguém do talento de Donald Glover para conseguir colar essas peças de forma a criar uma série nessa ótima qualidade em que ela se apresenta. Parabéns pela resenha. Abraços.

  2. Pingback: Ouça agora o novo disco de Childish Gambino, “Awaken, My Love!” | Raplogia·

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s